Global Day of Action for the Amazon - #Sept5Act4Amazonia

Screen_shot_2019-09-02_at_3.02.09_pm

[Português abaixo/Español abajo]

Indigenous earth defenders have put out an urgent call for international solidarity and Amazon Watch, the National Articulation of the Indigenous Peoples of Brazil (APIB), and Extinction Rebellion are mobilizing a Global Day of Action for the Amazon on September 5th, directed at Brazilian embassies and consulates - but also the global corporations profiting from Amazon destruction.

Protecting forests and upholding the rights of Indigenous people is one of the most effective defenses we have against climate breakdown.

This devastation is directly related to President Bolsonaro's anti-environmental rhetoric, which erroneously frames forest protections and human rights as impediments to Brazil's economic growth.

Governments and companies around the world are emboldening Bolsonaro's toxic policies when they enter trade agreements with his government or invest in agribusiness companies operating in the Amazon.

Possible targets for #Sept5Act4Amazonia protests on September 5th:

  • Brazilian embassies or consulates
  • BlackRock offices
  • Cargill offices
  • Costco stores
  • WalMart stores
  • JP Morgan Chase banks or offices
  • HSBC banks or offices
  • Stop and Shop stores
  • BNP offices
  • Santander offices
  • JBS offices
  • Mafrig offices
  • Leclerc stores
  • Offices of local or national politicians in nations with trade agreements with Brazil

All actions should be non-violent. Planned events include protests, sit ins, marches and vigils. You can also organize a benefit concert or film screening to raise much-needed funds to protect the Amazon.

This is where we draw the line. We’ve had enough of companies promising they care about the environment while continuing to drive forest destruction. They need to act now - while there are still forests left to protect.

Sponsors:

Amazon Watch
Extinction Rebellion
National Association of Indigenous Peoples of Brazil (APIB)

Learn more:

Amazon destruction is not new, however. Indigenous people of the Amazon have been sounding the alarm about risks to the rainforest for years and resisting the destruction - sometimes at the cost of their own lives.

It is critical that before the G7 Summit, the United National General Assembly meeting and Climate Week, this issue be put on the forefront and that international pressure is brought to force Brazil to address the urgent need to suppress the fires, protect the Amazon and respect the rights of indigenous peoples and their territory.

Amazon Watch and APIB conducted an investigation this year that showed how many US and European companies - like Cargill and ADM - and financiers - like BlackRock, JP Morgan Chase and Santander - are complicit in Amazon deforestation.

Português

Incêndios sem precedentes estão devastando a Amazônia - este ano foram mais de 74 mil incêndios que representam um aumento de 84% em relação ao mesmo período no ano passado. Esta é uma tragédia internacional e uma contribuição perigosa para o caos climático.

Essa devastação está diretamente relacionada à retórica anti-ambiental do presidente Bolsonaro, que erroneamente enquadra as proteções florestais e os direitos humanos como impedimentos ao crescimento econômico do Brasil. Agricultores e pecuaristas entendem a mensagem do presidente como uma licença para cometer incêndios com impunidade desenfreada, a fim de expandir agressivamente suas operações na floresta tropical.

A destruição da Amazônia não é nova, os povos indígenas da Amazônia vêm alertando sobre os riscos para a floresta tropical há anos e resistindo à destruição - às vezes à custa de suas próprias vidas.

A Articulação Nacional dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) pediu solidariedade internacional em resposta aos incêndios e ameaças cada vez maiores. A Amazon Watch e a Extinction Rebellion estão liderando uma convocação para um Dia de Ação Global para a Amazônia em 5 de setembro de 2019, também conhecido como "Dia da Amazônia". Por favor junte-se a nós!

Reúna-se em comunidade para organizar ações diretas não violentas, incluindo protestos, marchas e vigílias. Você também pode organizar um show beneficente ou uma exibição de filmes para levantar fundos que são muito necessários para proteger a Amazônia.

É fundamental que, antes da Cúpula do G7, da Assembléia Geral da ONU e da Semana do Clima, esta questão seja posta em primeiro plano e que a pressão internacional seja imposta para forçar o Brasil a suprir urgentemente os incêndios, proteger a Amazônia e respeitar os direitos dos povos indígenas e seu território.

Em 5 de setembro, convocamos a comunidade global á agir em embaixadas ou consulados brasileiros e nos escritórios das corporações que lucram com a destruição da Amazônia.

Governos e empresas em todo o mundo estão fortalecendo as políticas tóxicas de Bolsonaro quando entram em acordos comerciais com seu governo ou investem em empresas de agronegócios que operam na Amazônia.

A Amazon Watch e a APIB conduziram uma investigação neste ano que mostrou quantas empresas norte-americanas e européias - como Cargill e ADM - e financiadores - como BlackRock, JP Morgan Chase e Santander - são cúmplices no desmatamento da Amazônia.

Inscreva-se aqui para participar de ações planejadas para sua área ou organize sua própria ação e convide membros de sua rede.

Obrigado!

SPANISH

Incendios sin precedentes están devastando la Amazonía: con más de 74,000 incendios este año, es un aumento del 84% con respecto al año pasado. Esta es una tragedia internacional y una contribución peligrosa al caos climático.

Esta devastación está directamente relacionada con la retórica anti-ambiental del presidente Bolsonaro, la que erróneamente enmarca las protecciones forestales y los derechos humanos como impedimentos para el crecimiento económico de Brasil. Los agricultores y ganaderos entienden el mensaje del presidente como una licencia para provocar incendios desenfrenadamente y con impunidad , a fin de expandir agresivamente sus operaciones en la selva tropical.

Sin embargo, la destrucción del Amazonas no es algo nuevo. Los pueblos indígenas de la Amazonía han estado dando la voz de alarma durante años sobre los riesgos para la selva tropical y resistiendo la destrucción, muchas veces a costa de sus propias vidas.

La Articulación Nacional de los Pueblos Indígenas de Brasil (APIB) ha pedido solidaridad internacional en respuesta a los incendios y a las amenazas cada vez mayores. Amazon Watch y Extinction Rebellion están liderando un llamado para un Día de Acción Global para el Amazonas el 5 de septiembre de 2019, también conocido como "Día del Amazonas". ¡Por favor únete a nosotros!

Reúnase con su comunidad para organizar acciones directas pacíficas , como protestas, sentadas, marchas y vigilias. También puede organizar un concierto a beneficio o una presentación de película para recaudar fondos muy necesarios para proteger el Amazonas.

Es fundamental que antes de la Cumbre del G7, la reunión de la Asamblea General de las Naciones Unidas y de la Semana del Clima, este tema se ponga a la vanguardia y se ejerza presión internacional para obligar a Brasil a enfrentar la urgente necesidad de extinguir los incendios, proteger el Amazonas y respetar los derechos de los pueblos indígenas y su territorio.

El 5 de septiembre pedimos a la comunidad global que tome medidas en las embajadas o consulados brasileños y en las oficinas de las corporaciones que se benefician de la destrucción de la Amazonía.

Gobiernos y empresas alrededor del   mundo están incentivando las políticas tóxicas de Bolsonaro cuando firman acuerdos comerciales con su gobierno o invierten en empresas de agronegocios que operan en la Amazonía.

Amazon Watch y APIB llevaron a cabo una investigación este año que reveló cuántas compañías estadounidenses y europeas - como Cargill y ADM, y financieras como BlackRock, JP Morgan Chase y Santander - son cómplices de la deforestación de la Amazonía.

Regístrese aquí para unirse a las acciones planificadas en su área o para organizar su propia acción e invitar a miembros de su red.

¡Gracias!